domingo, 10 de janeiro de 2010

Voce nao sabe...


Voce nao sabe quanto me doeu
Passar em claro a primeira noite
Que voce passou com seu novo namorado


Voce nao sabe como me fitava tentador
O chao embaixo da minha janela
Que me convidava de coracao gelado


Voce nao sabe como me doia
Olhar todos os rostos da cidade
E perceber que nenhum deles era o seu


Entao voce voltou...


Voce nao sabe como pulou feliz
O meu tolo coracao acreditando
Que seriamos mais uma vez, um


Resolveu que deveria, nao sei porque
Sumir outra vez de minha monocromatica vida
E assim o fez, me deixando aqui de novo.


Por que pediu perdao? Por que nao deixou pelo que havia me dito?
Que amava outro em meu lugar e ja nao me tinha mais em sua cabeca?


Por que me disse que o chamou pelo meu nome 
Quando eu ja criava pernas pra andar sem ti?


Por que me deu outra vez teus labios pra beijar
Se nao pretendia ficar aqui do meu lado?


Nao me interessa a resposta, pra dizer a verdade.
Me interessa que volte e me deixe sentar no meu lugar mais querido
Que é o teu colo, esquentando o teu ventre em colicas.


Senta aqui e deixa eu tapar-te do vento frio da porta da escola.
Pega a minha mao e ve como eu tremo, como no nosso primeiro beijo.
Poe a mao no meu peito e ve como me treme o peito,
Com o ar frio no pulmao e o sangue quente acelerando o coracao.
Quem sabe, ai entao, entendera como eu te amo e te preciso.


Erick Ozaki

Um comentário:

  1. Você não sabe o quanto me orgulho de você. O quanto esse texto mostra a sua capacidade de poeta. E como você pode tornar alguém feliz com essas palavras. Simplesmente lindo.

    ResponderExcluir