sábado, 19 de dezembro de 2009

Scent of a woman

Esse fim de semana, fui visto entrando num teatro popular paulistano, mas numa ocasião fora do comum a minha pessoa: entrava para assistir a uma orquestra, mas não uma qualquer, e sim, a Orquestra Bachiana de Jovens.
No momento do convite não dei maior importancia e entrei ameno. Sentei-me, cruzei as pernas e comecei a desvendar um quebra-cabecas que acabara de ganhar na exposicão tecnicologica da qual saira.
A orquestra, então, comecou a tocar. Poucas vezes senti tantas variacoes no que sentia. Sentia incrivel vontade de gritar, seguida pela necessidade de fechar os olhos e simplesmente ouvir o que os violinos tinham a me dizer. Pela primeira vez na minha vida, posso dizer que enchi meus pulmoes com musica!
Resolvi que seria bom compartilhar com quem acompanha esse meu diario-nao-atualizado-digital-ultra-hi-tech, pelo menos, parte dessa emocao. Entao, segue o video da mesma Orquestra que me chocou.





That's all. For now.
I'll be back. At least, I hope so.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Imagine all the people...


"Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade.
Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável. Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada "dois em um": duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava.
Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável.
Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos.
Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são caretas, que os que transam muito não são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto. Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto.
Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade. Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas.
Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente. Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém."



John Lennon